a ferro, fogo e alma…

“Mar” Miúdo a pescar

65x75x95cm (cana 200cm) ferro

Miúdo a pescar

 

Naquele tempo, o tempo do Verão confundia-se com a duração do mar: infinito, contínuo, estendido pela paisagem como na memória. Lembro-me de alguns dias se espalharem diante de mim como um enorme espaço aberto ao meu conhecimento. Tinha a perfeita noção de que vivia com todos os sentidos alerta, de momento a momento, de descoberta em descoberta, sem parar para remoer, repetir ou ruminar. Ao ter todo o tempo do mundo, não tinha tempo a perder. Havia aquela abertura – um constante arejar dinâmico de tentativa e erro. A minha consciência era como o mar: sem limites, sem fronteiras, sem divisões.

Os comentários estão fechados.