a ferro, fogo e alma…

Assassinos de Inês de Castro

Um dos conselheiros do rei D. Afonso IV, Pêro Coelho, tinha residência no Jarmelo, a minha terra. A Associação Cultural e Desportiva do Jarmelo, a propósito da comemoração do ano Inesiano (650 anos da morte de Inês de Castro), desafiou-me a uma reinterpretação do quadro de Columbano Bordalo Pinheiro, A Morte de Inês. As peças têm cerca de 2 metros e meio e, depois de quatro meses de trabalho, foram implementadas na antiga vila do Jarmelo junto à Casa-Museu, onde estão até hoje, à chuva e ao frio.

Os comentários estão fechados.